Linhas sem fim

A vida passa como um trem bala.
Não me sinto tão jovem assim,
Não sou jovem. . .
Tenho dores tremendas!

Minhas noites são perturbadas,
Na companhia de dores nos ossos
E ainda tenho que satisfazer
As dores da alma

Com tempo percebemos o
Quanto corremos muitos
E agora não podemos mais parar,
Pois é definitivo.

Tudo que construímos não e digno
De demolição, temos que refazer
Por cima da base, não vale o esforço,
Nem ao menos podemos ter tempo
De construir novamente

Anderson B.

Direitos reservados

📸 Lee Jeffries

%d blogueiros gostam disto: